Ouça agora na Rádio

N Notícia

Movimento Apoie a Reforma faz campanha pela nova Previdência

Movimento Apoie a Reforma faz campanha pela nova Previdência

Grupo apartidário produz vídeos, disponíveis no site www.apoieareforma.com, que explicam as razões da necessidade de atualizar as regras

A reforma da Previdência em discussão no Congresso é verdadeiramente necessária? Por quais razões? E se nada for feito, o que vai acontecer? Os servidores públicos, afinal, são prejudicados ou favorecidos com a reforma que foi proposta pelo governo? Para responder perguntas como essas, um movimento apartidário, com líderes da sociedade civil, acaba de montar um site com esclarecimentos sobre as medidas propostas pelo governo Temer:www.apoieareforma.com. O site tem vídeos curtos, de pouco mais de dois minutos de duração, com explicações sobre as mudanças das regras.

“Já pensou o que é você trabalhar anos e anos, economizando uma parte do seu dinheiro para ter uma coisa com que sempre sonhou e, no final, não receber? Pois é isso que vai acontecer com as aposentadorias dos brasileiros se não for feitaagora mesmo uma reforma na previdência: o dinheiro vai acabar”, diz um dos vídeos criados sobre a reforma.

Assista: 

Os criadores do site não querem ser identificados para evitar acusações ou suspeitas de partidarismo. Eles não são filiados a nenhum partido político. Mas entendem que a reforma é uma medida necessária para o país, independentemente de quem estiver no poder. Uma das bandeiras do movimento é pela inclusão das chamadas categorias especiais de trabalhadores – como funcionários públicos e militares – nas regras que serão votadas pelo Congresso nas próximas semanas. A proposta encaminhada pelo governo, porém, exclui os militares das Forças Armadas, os policiais militares e os bombeiros.

Assista:

“Um dos problemas é a existência de um contingente de privilegiados do funcionalismo público. As categorias especiais que se aposentam com menos de 50 anos ou que recebem mais de aposentadoria do que recebiam de salário. É pouca gente recebendo muito e muita gente recebendo pouco”, diz um dos vídeos. “E os maiores prejudicados são as pessoas comuns que contribuem a vida toda, mas não vão receber seu dinheiro lá na frente, quando mais precisarem”, completa esse vídeo.

O movimento faz um alerta sobre as consequências de a sociedade brasileira, mais uma vez, adiar a questão do enfrentamento da necessidade de reformar a Previdência. Aponta para a grave crise financeira vivida pelo estado do Rio de Janeiro, em que direitos adquiridos como o pagamento de salários de servidores públicos e aposentadorias de ex-servidores estão sendo desrespeitados porque o governo não tem dinheiro em caixa. Os serviços essenciais de saúde, educação e segurança pública foram precarizados pela mesma razão, e quem mais é a população de baixa renda, que não tem acesso ao particular.

O site também disponibiliza um canal de comunicação com os congressistas atualmente no poder. O objetivo é permitir que deputados federais e senadores sejam cobrados por quem estiver  convencido da necessidade da reforma.

Assista: 

VEJA