Ouça agora na Rádio

N Notícia

O Brasil patina no Enade. De novo

O Brasil patina no Enade. De novo

Resultados são quase idênticos à edição anterior: um terço dos estudantes deixa a universidade sem conhecimentos básicos para ingressar no mercado

Às vésperas de deixar a faculdade, um em cada três estudantes brasileiros não possui as habilidades necessárias para o exercício da profissão escolhida. Ou, ao menos, está muito abaixo do nível considerado satisfatório pelo Ministério da Educação (MEC). É o que denunciam os resultados do último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), divulgados nesta quarta-feira pelo Inep. Aplicada em novembro de 2015, a última edição da prova avaliou 8.121 cursos nas áreas de Ciências Sociais aplicadas e Ciências Humanas e foi realizada por 447.056 estudante.

Segundo o relatório apresentado hoje pelo MEC, cerca de 30% dos alunos participantes só alcançaram as notas 1 e 2 no Conceito Enade – indicador calculado a partir dos desempenhos dos estudantes na prova e dividido em uma escala de 1 a 5, sendo a nota 3 considerada “satisfatória”. Isso significa que um terço dos universitários que se forma no Brasil não apenas carecem de conhecimentos básicos para o exercício da própria profissão, como sequer são capazes de analisar questões relacionadas à ética e cidadania, que compõem 25% do exame.

Se o resultado medíocre é preocupante por si só, pior é a constatação de que os números são recorrentes: o percentual de formandos que deixam a universidade sem um mínimo de preparo é idêntico ao aferido na última edição do exame, em 2012. “Paramos no mesmo patamar mediano de sempre”, avalia a presidente do Inep, Maria Inês Fini.

Além de avaliar o rendimento dos alunos em relação ao conteúdo programático dos cursos de graduação, o Enade é um dos parâmetros mais importantes doConceito Preliminar de Curso (CPC), que mede a qualidade dos cursos e a capacidade de funcionamento das instituições, considerando sua estrutura física e a qualidade do corpo docente. Nesse quesito, o Brasil parece estar caminhando para frente, mesmo que a passos lentos. Este ano, 57,7% dos cursos atingiram a nota satisfatória, contra 43,9% em 2012; enquanto o nível 4 cresceu de 19% para 26,5%. Por outro lado, a quantidade de cursos nota 5, considerada a de excelência, caiu 4 pontos percentuais – passou de 5,4% para 1,2%.

VEJA